Tags

Sorocaba possui há 20 anos uma das melhores leis municipais de auxílio na viabilização e propulsão de projetos, por meio do investimento direto no produtor cultural.

Trata-se da Lei de Incentivo à Cultura de Sorocaba (Linc), promulgada em 1998 (Lei nº 5.736, de 10 de agosto de 1998), tendo seus dois primeiros editais publicados em 1999.

“Há 20 anos, a Linc vem estimulando a cultura na nossa cidade, ampliando e diversificando a produção cultural em diversas áreas e isso é um motivo de orgulho para nós da Secretaria da Cultura”, destaca a titular da Secretaria da Cultura, Cassiane Souza.

A capacidade de descentralização do projeto, assim como seu plano de divulgação, distribuição e acesso estão entre os pressupostos da Linc, que busca garantir o acesso à população das mais diversificadas classes e regiões a um produto cultural local, contribuindo na formação sociocultural ao mesmo tempo em que promove o trabalho dos artistas.

Exemplo disso é que para materiais como livros, CDs e DVDs, a Linc prevê que 30% da tiragem ou totalidade devem ser entregues à Secretaria da Cultura, que os disponibiliza, entre outros espaços, para bibliotecas públicas e comunitárias. Também deve ser gratuita a primeira apresentação de mostras, shows e espetáculos realizados com o incentivo da lei.

Somente neste ano, a Linc está investindo R$ 810 mil em Projetos Culturais, totalizando R$ 12,1 milhões de investimento na cultura sorocabana desde o seu primeiro edital. De 1999 a 2018, foram contemplados 385 projetos, sendo 80 na área de Artes Cênicas, 14 em Artes Visuais, 51 em Cinema e Vídeo, 94 em Letras, 87 em Música, um em Museus, 21 em Patrimônio Histórico e Cultural, 34 em Formação Cultural e três em Festivais.

A Linc sob a ótica dos produtores culturais

“Uma ferramenta que possibilitou a concretização desses projetos”, assim define a Linc o historiador Carlos Cavalheiro, responsável por três produções feitas por meio do incentivo público. A primeira ocorreu em 2000 com o CD “Cantadores”, um registro fonográfico de grupos folclóricos de Sorocaba e região. Já em 2001 foi publicado o livro “Salvadora!”, biografia de Salvadora Lopes Peres, a primeira vereadora eleita em Sorocaba no ano de 1947. O terceiro projeto foi o livro “Descobrindo o Folclore”, em 2002.

De acordo com Carlos Cavalheiro, os projetos tiveram desdobramentos muito interessantes, como a contribuição para o surgimento de uma cena que começou a valorizar a cultura popular, e também a divulgação da biografia de uma militante que serviu de inspiração para diversos movimentos sociais da cidade. “A Câmara Municipal tem um salão nobre batizado com o nome de Salvadora Lopes Peres, além de um prêmio anual a mulheres de destaque. A justificativa apresentada para o surgimento de todas essas ações está sempre associada à publicação do livro e isso me deixa muito contente”, afirmou.

Em 2003, outro projeto viabilizado pela Linc foi o filme “Cafundó” (2005), que teve como proponente Pedro Courbassier. Dirigido por Paulo Betti e Clóvis Bueno, o longa-metragem conta a trajetória de João de Camargo. O filme ganhou inúmeros prêmios, entre eles, quatro Kikitos no Festival de Gramado de 2005: Melhor Ator (Lázaro Ramos); Melhor Direção de Arte (Vera Hamburger); Melhor Direção de Fotografia (José Roberto Eliezer ABC); Melhor Direção de Fotografia (José Roberto Eliezer ABC); e o Prêmio Especial RGE (Rio Grande Energia) de Melhor Fotografia.

Quem também obteve recursos da Linc, através do edital de 2016, foi “Morte, Vida e Café”, que contou com a criação de dois videoclipes das músicas da cantora Paula Cavalciuk, sendo um “O Poderoso Café”, filmado nas ruas do Centro de Sorocaba com artistas locais das mais variadas vertentes. O outro foi “Morte e Vida Uterina”, produzido em animação stop motion, que circulou por muitos festivais no Brasil e no exterior, como Anima Mundi 2018 (Brasil), Motion Awards By Motionographer 2018 (EUA) e UK Music Video Awards 2018 (Reino Unido), além de receber menção honrosa de melhor trilha sonora no Bang Awards 2018 (Portugal).

Para o diretor dos videoclipes, Daniel Bruson, a escolha do incentivo público se deu pela possibilidade de devolver o investimento para a sociedade através da arte, música e cultura. “Nosso objetivo central não é o retorno financeiro, mas sim a chance de criar pontes entre as pessoas, estabelecer diálogos em novas formas e trocar experiências por meio da expressão artística”, destacou Bruson, também diretor de animação e artista gráfico.

Já em 2018, um dos projetos contemplados pela Linc foi o livro “Entrelinhas da Pichação: diálogos sorocabanos”, que reúne reflexões sob a ótica de diversas áreas de conhecimento a partir de fotografias de pichações e grafites encontrados na área urbana. “Além de promover reflexões sobre a cidade e seus temas, tivemos como intenção arrecadar verba para contribuir com uma instituição que presta serviço de acolhimento a crianças e adolescentes”, explicou uma das organizadoras do projeto, a professora e pesquisadora Thífani Postali.

Os videoclipes do projeto “Morte, Vida e Café” podem ser conferidos no link https://www.youtube.com/user/PaulaCavalciuk/. Já o livro “Entrelinhas da Pichação: diálogos sorocabanos” está disponível no site https://thifanipostali.com/. As produções “Cantadores”, “Salvadora!” e “Descobrindo o Folclore” são encontradas em bibliotecas e em diversos acervos da cidade, como o Gabinete de Leitura Sorocabano e o Instituto Histórico, Geográfico e Genealógico de Sorocaba (IHGGS).

Anúncios