Tags

Os usuários do Transporte Especial devem fazer o recadastramento até esta sexta-feira (2). O atendimento está sendo feito, das 8h às 16h, em 13 unidades do Centro de Referência em Assistência Social (Cras) e do Centro de Referência Especializado de Assistência Social (Creas).

Este processo é uma das medidas que está sendo tomada pela Urbes para promover a reformulação do Transporte Especial, com o objetivo único de melhorar o serviço na cidade, zerar a fila de espera e oferecer um serviço que seja o mais justo possível.

“É importante deixar claro que não vamos limitar o acesso de nenhuma pessoa neste momento em função da renda. Mas é muito importante que todos que precisam do serviço façam o recadastramento dentro do prazo, pois esta atualização é fundamental para a operacionalização do Transporte Especial e quem não fizer o recadastramento em algum momento poderá perder o serviço”, destaca o presidente da Urbes, Luiz Carlos Franchim.

O recadastramento dos usuários vai permitir que seja verificado quem realmente necessita do serviço, inclusive com uma reavaliação clínica, além de locais, dias e horários que os usuários necessitam, para racionalizar o serviço e oferecer este benefício com mais qualidade e conforto.

A avaliação socioeconômica é ampla e considera todos os gastos da família do solicitante, juntamente com a renda, além das questões de condições de moradia, entre outros. O Serviço de Transporte Especial reserva a preferência para as pessoas socioeconomicamente vulneráreis, que são classificadas de acordo com a renda de até meio salário mínimo por pessoa da família. Ou seja, a Urbes não vai limitar o acesso de ninguém, e sim regulamentar o que sempre foi avaliado, a condição socioeconômica, para que as pessoas que mais precisam sejam atendidas preferencialmente.

Documentos necessários

Para o recadastramento é necessário o comprovante de residência atual (conta de energia elétrica ou de água) do usuário do serviço; uma foto 3X4 recente; avaliação médica, constando a deficiência apresentada pelo solicitante, bem como se esta representa dificuldade severa na locomoção (CID), e se o mesmo se utiliza de aparelhos auxiliares e/ou de acompanhante na locomoção (ficha de cadastro deve ser retirada nos Cras ou Creas); e declaração escolar ou da entidade prestadora de serviço, onde o solicitante é atendido, constando os dias, locais e horários de atendimento prestado, quando houver (a ficha de cadastro deve ser retirada nos Cras ou Creas ou ainda no site da Urbes: http://www.urbes.com.br).

Já para que seja feita uma avaliação socioeconômica da família, são necessários os seguintes documentos de todos os moradores da residência com mais de 18 anos de idade: RG, CPF, título de eleitor, carteira profissional (se tiver registro em carteira, levar também o último holerite); e comprovante de rendimento (LOAS, Aposentadoria, entre outros), caso alguém tenha na residência. Já para os menores de 18 anos, deve ser levado RG ou Certidão de Nascimento; e declaração escolar do ano vigente. Mais informações podem ser obtidas pessoalmente ou por telefone em uma das unidades dos Cras ou dos Creas.

Reformulação

A ideia da Urbes é, após o recadastramento, abrir um processo licitatório específico para a contratação de uma empresa especializada que atue no Transporte Especial no primeiro semestre de 2018. Atualmente, este serviço é prestado pelas empresas Consor e STU, que atuam no Sistema de Transporte Coletivo.

A empresa contratada deverá operar com veículos mais econômicos e ágeis, como vans totalmente adaptadas. Com isso, a ideia é melhorar o serviço, diminuindo o tempo dos usuários nos veículos, atendendo o máximo das necessidades destas pessoas, viabilizando inclusive o aumento do número de usuários atendidos, sem aumentar o custo para o poder público.

Além do recadastramento, a Urbes criou o Comitê Municipal do Transporte Especial de Sorocaba, com a participação de representantes de entidades que atuam com pessoas com deficiência, secretarias de Igualdade e Assistência Social (Sias) e Educação (Sedu), Conselho Municipal da Pessoa com Deficiência (CMPCD) e Defensoria Pública.

O comitê tem como função buscar soluções para as diversas questões que envolvem o Transporte Especial em Sorocaba. As reuniões são mensais e a ideia é promover a troca de experiências e a expertise dos envolvidos e envolver a sociedade civil nas decisões que serão tomadas pelo poder público municipal.

Fonte: Agência Sorocaba de Notícias

Anúncios