Tags

Voluntárias da Liga Sorocabana de Combate ao Câncer e do Grupo Andanças utilizaram a tribuna da Câmara Municipal no início da sessão ordinária desta terça-feira, 3, para falar sobre a campanha Outubro Rosa de combate e prevenção ao Câncer de Mama.

O movimento nascido nos Estados Unidos, é realizado em todo o mundo e tem o laço cor de rosa como símbolo.

Para falar sobre a campanha, que busca a conscientização da população, e também pedir o apoio dos vereadores na luta pela causa, a médica mastologista Alice Francisco, e a psicóloga Elisa Neiva, especialista em psico-oncologia, utilizaram a tribuna. Segundo a Dra. Alice, no Estado de São Paulo a cobertura de mamografia corresponde a 28% em um ideal de 70%. “Será que o acesso ao diagnóstico e tratamento em Sorocaba estão adequados? Está bem complicado, como em todo o país”, afirmou.

A médica ressaltou que a cidade conta com apenas um mastologista na Rede Municipal de saúde e outro na Estadual, sendo que atualmente a demanda reprimida varia de 2 mil a 4 mil monografias, com espera de 9 meses para a realização do exame, sendo que o diagnóstico do câncer de mama pode demorar até um ano, “o que pode comprometer a vida da paciente”, conforme frisou.

“A lei dos 60 dias não é cumprida, falta quimioterapia e radioterapia, esta última, que praticamente não existe”, completou Alice Francisco, que encerrou pedindo aos vereadores que reflitam e abracem a causa, fazendo cumprir as leis existentes e cobrando do Estado sua parte, além de lutarem pelo hospital do câncer. “Enquanto existir o mês de outubro, vamos fazer o outubro rosa”, concluiu.

Em seguida, a psicóloga Elisa Neiva, do Grupo Andanças também utilizou a tribuna para falar de sua experiência e do projeto formado por pacientes e ex-pacientes de câncer de mama que recebem apoio emocional e médico para o enfrentamento da doença. A psicóloga frisou que o câncer de mama mata e que é preciso trabalhar com a prevenção e com o tratamento, inclusive psicológico, com apoio também às famílias. “Espero que o Outubro Rosa não seja visto como uma festa rosa, mas sim como uma campanha de conscientização”, concluiu.

Antes do uso da tribuna, a vereadora Iara Bernardi (PT) afirmou ser uma vergonha o que ocorre em Sorocaba quanto ao tratamento da oncologia, reforçando que faltam remédios para a quimioterapia, e opções de radioterapia no Município. A vereadora lembrou que além de participar da campanha, a Câmara precisa se debruçar sobre o diagnóstico e tratamento do câncer de mama.

Já o vereador Hudson Pessini (PMDB) que preside a Comissão Especial de Estudos Sobre a Implantação do Hospital do Câncer em Sorocaba, falou sobre os avanços da campanha e anunciou, extraoficialmente, que a Santa Casa pretende ceder um local para criação de um complexo de tratamento do câncer. A comissão especial é formada ainda pelos vereadores Hélio Brasileiro (PMDB), Iara Bernardi (PT) e Renan dos Santos (Pros).

Outubro Rosa na Câmara – O Legislativo sorocabano participa ativamente da Campanha Outubro Rosa com a iluminação rosa na fachada da Casa de Leis; a inclusão de um laço rosa na página principal do seu site e a inclusão de Banner temático no saguão da Câmara. Outras ações também são previstas como Audiência Pública para debater o tema e ainda a distribuição de laços cor de rosa para os servidores.

O presidente Rodrigo Manga (DEM) participou ontem, segunda-feira, 2, no Paço Municipal, do lançamento da campanha pela prefeita Jaqueline Coutinho (PTB). Durante a abertura oficial do “Outubro Rosa”, Jaqueline sancionou a lei de autoria do vereador Hudson Pessini (PMDB), que institui outubro como o “Mês de Luta contra o Câncer de Mama”, e indica a realização de ações de conscientização à população para o diagnóstico precoce da doença.

Fonte: Câmara Municipal de Sorocaba

Anúncios