Tags

,

Dos vinte secretários nomeados ontem pela prefeita de Sorocaba, Jaqueline Coutinho (PTB), nove são diretamente ligados a partidos políticos, sendo que três deles são presidentes de siglas: Robson Coivo, do Pros; Jessé Loures, do PV, e João Leandro da Costa Filho, do PSDB. Essas nomeações, além da pluralidade e sustentação na Câmara, são vistas, inclusive por aliados, como uma tentativa de blindar a administração contra um eventual revés na Justiça, caso determine um novo processo de votação da cassação de José Crespo (DEM) pelo Legislativo.


Aliança estratégica

Robson Coivo, além de presidente do Pros, chegou a atuar na legislatura passada como chefe de gabinete do vereador Luís Santos (mesmo partido). Essa aliança com Jaqueline foi costurada entre segunda e terça-feira por vereadores que agora integram sua bancada, como Rodrigo Manga (DEM), presidente da Câmara, e Hudson Pessini (PMDB). Luís Santos, assim como Marinho Marte (PPS), foram vereadores que votaram contra a cassação de José Crespo do cargo de chefe do Executivo sorocabano.

Laços reforçados (1)

A prefeita de Sorocaba também nomeou para a Secretaria de Abastecimento e Nutrição Daniel Raphanelli Pólice, que até então atuava no gabinete do presidente da Câmara, Rodrigo Manga. Outro indicado por vereador é o advogado Ricardo Gouveia, assessor do vereador Hudson Pessini (PMDB), principal aliado de Jaqueline no Legislativo. E, para o Fundo Social de Solidariedade (FSS), ficou definido o nome de Jéssica Carvalho, que é esposa do vereador Péricles Régis, do PMDB.

Laços reforçados (2)

Com a nomeação do vereador tucano João Donizeti Silvestre para a Secretaria de Planejamento e Projetos, quem volta ao Legislativo é o suplente João Paulo Miranda (PSDB). JP, como é chamado, foi o responsável por dar o voto decisivo que resultou na cassação de José Crespo, quando deixou a suplência e substituiu o também tucano Anselmo Neto, impedido de votar depois que sua suspeição foi levantada e aceita pelos colegas vereadores.

Coxinha e mortadela

O fato de o PT integrar o governo da prefeita Jaqueline Coutinho (PTB), ao lado de partidos como o PSDB, DEM e PMDB, provocou a ira da ala mais conservadora da sigla. Entre os que não aprovaram a aliança, está o professor João José Negrão, que usou as redes sociais para se manifestar. Em uma das postagens, desabafou: “O PT vai compor governo de Sorocaba com PTB, PSDB, DEM, PMDB etc. Pra mim, deu. Valeu pela companhia de mais de 37 anos, mas fui…”

Fonte: Jornal Cruzeiro do Sul