Tags

,

A vice-prefeita de Sorocaba, Jaqueline Coutinho (PTB), está se sentindo constrangida e vigiada com a presença de um assessor do prefeito José Crespo (DEM) em seu gabinete no 6º andar do Paço Municipal.

Ela disse ter chegado para trabalhar no período da manhã e o homem já estava sentado em uma mesa, fazendo o uso de um notebook. Indagado pela vice, o assessor teria dito que estava naquela mesa para trabalhar e que ali seria o posto dele.

Por meio de nota, a Secretaria de Comunicação e Eventos da Prefeitura de Sorocaba informou que o prefeito José Crespo liberou nesta quinta-feira (10) um assessor qualificado para ajudar Jaqueline Coutinho nas suas tarefas.

“De acordo com a súmula de trabalho, o funcionário deve prestar assessoramento direto à chefia para o desenvolvimento das suas funções e fazer o acompanhamento técnico da ação programática da administração municipal, ajudar no gerenciamento de dados e informações técnicas relativas ao controle da execução das políticas públicas municipais e das metas e objetivos a serem alcançados e prestar outras atividades típicas de assessoramento superior.”

Jaqueline afirma ainda que tinha agendado uma conversa com algumas pessoas em seu gabinete, nesta quinta-feira (10), e que pediu licença ao assessor para recebê-los. Porém, ele se recusou a sair da sala. Segundo a Secretaria de Comunicação e Eventos (Secom), “a forma como se conduz o trabalho é definida internamente”.

A Prefeitura se recusou a responder por que o assessor precisa ocupar a mesma sala da vice, se a determinação partiu do prefeito Crespo e se isso seria uma medida para vigiar as ações da vice-prefeita enquanto ela trabalha no gabinete.

Na Câmara Municipal, o assunto foi comentado pelo vereador Renan dos Santos (PCdoB), que usou a tribuna para fazer a denúncia. Para ele, a presença de um assessor de Crespo no gabinete de Jaqueline é mais uma caso de assédio e tentativa de monitorar a vice-prefeita. “Lamentável o último episódio do prefeito.

Nós temos na cidade não um prefeito, nós temos uma pessoa que é movido à vingança. É esse hoje o papel que o prefeito municipal cumpre. Crespo colocou na sala da vice-prefeita um assessor pessoal dele, que inclusive é guarda civil municipal, afim de assediar e monitorar ela”. A Prefeitura negou que ele seja GCM.

O vereador, que faz oposição ao governo municipal, disse ainda que para ele, o assessor, na verdade, faz o serviço de um “capanga”. “Ela tinha agenda com munícipes e pediu inclusive licença para o dito cujo em questão, que se recusou a sair, pois ele estava lá a serviço para mim de capanga. Isso é serviço de capanga a pedido do prefeito.”

Renan disse ainda que irá apresentar aos vereadores uma moção de repúdio contra Crespo, além de entrar em contato com a OAB de Sorocaba.

“Vou pedir ao presidente da OAB, Márcio Rogério Dias, que também é advogado de defesa da vice-prefeita, que ele comunique a desembargadora do Tribunal de Justiça de São Paulo (TJ-SP), para que tome as providências necessárias.

Pois, a liminar concedida por ela para que Jaqueline voltasse a ocupar o gabinete dela e que fosse dado a ela condições de trabalho não é isso o que está ocorrendo. O prefeito colocou seu capanga, não tem outra palavra, para monitorar e assediar a vice-prefeita no 6º andar do Paço Municipal”, completou o vereador.

Fonte: Jornal Cruzeiro do Sul

Anúncios