Tags

,

Na defesa que apresentou à Comissão Processante criada na Câmara para apurar a possível prática do crime de prevaricação e do ato de quebra do decoro que lhe são atribuídos, o prefeito José Crespo (DEM) arrolou como testemunhas, a vice, Jaqueline Barcelos Coutinho (PTB), o secretário de Gabinete, Hudson Zuliani, a assessora Tatiane Polis, e o secretário de Estado da Educação do Rio de Janeiro, Wagner Victer, além de servidores daquela pasta. Ao todo, foram relacionados dez nomes.

O documento a que o Cruzeiro do Sul teve acesso foi protocolado na tarde de segunda-feira e começou a ser analisado ontem pelos vereadores integrantes da Comissão.

Nas 27 páginas da manifestação, Crespo critica o caráter de “denuncismo meramente político” da medida impetrada e prega respeito à vontade expressada por cidadãos que o elegeram democraticamente. “Os cidadãos de Sorocaba que foram às urnas e escolheram o prefeito, não podem e não merecem conviver com esse processo de cassação”, destaca a petição.

Em outro trecho da peça, o prefeito nega que tenha agredido física e verbalmente tanto Zuliani quanto a vice-prefeita.

“O que houve na reunião naquele dia não passou de discussão sobre assuntos administrativos, ainda que em tom acalorado, mas dentro da urbanidade”, diz o texto.

O prefeito também negou que tivesse impedido investigação sobre os fatos apurados pela vice-prefeita no que se refere à formação acadêmica da assessora Tatiane Polis.

Ainda em relação a este assunto, a defesa menciona que o diploma superior apresentado pela secretária para ocupar cargo dentro da administração municipal “é o quanto basta para demonstrar que ela tem a graduação exigida”.

Fonte: Jornal Cruzeiro do Sul

Anúncios