Tags

A implantação do metrô de superfície em Sorocaba, o Veículo Leve Sobre Trilhos (VLT), ganhou boa aceitação verbal, tanto da empresa que tem a concessão da linha férrea que passa em Sorocaba, a Rumo, como do Departamento Nacional de Infraestrutura e Transportes (DNIT).

O aceno positivo à instalação desse meio de transporte foi conquistado em reunião na manhã da quarta-feira (29) entre o prefeito José Crespo, diretores da Rumo, do DNIT e secretários municipais. “A reunião foi muito melhor do que a expectativa, com essa sinalização positiva vamos caminhar todos juntos”, comemorou o prefeito.

O secretário de Planejamento e Projetos da Prefeitura, Luiz Alberto Fioravante, explicou que agora acompanhará o prefeito em visita ao Dnit em Brasília, para tratar da assinatura de um documento entre a Prefeitura, o Dnit e a concessionária Rumo, que depende da aprovação da Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT) para oficializar no papel o acordo que possibilitará ao município implantar e operar o VLT utilizando a malha ferroviária já existente na cidade de Sorocaba.

O secretário Fioravante explicou que, partir da assinatura entre as partes, a própria Secretaria de Planejamento e Projetos vai fazer o projeto de viabilidade econômica e o projeto técnico. O passo seguinte será o projeto executivo a ser realizado entre a Secretaria de Planejamento e Projetos e a Secretaria de Mobilidade e Acessibilidade, a qual pertence a Urbes – Trânsito e Transportes. A gestão do VLT será da Urbes, segundo explicou Luiz Fioravante. “É um sonho de todos nós e principalmente do povo. Vamos trabalhar para isso”, ressaltou o prefeito José Crespo.

O prefeito explicou que o VLT vai ser mais uma opção de transporte para o percurso Leste-Oeste da cidade, enquanto o BRT ligará as regiões Norte-Sul. Os dois tipos de transporte (modais) estarão interligados, dando a possibilidade dos passageiros usarem ambos. De acordo com os estudos da Secretaria de Planejamento e Projetos, o VLT municipal poderá compartilhar os trilhos do transporte de cargas sem prejuízo para ambos.

O coordenador geral de patrimônio ferroviário do Dnit, José Luiz de Oliveira, disse que “o melhor e único encaminhamento para esse trecho (da ferrovia em Sorocaba) é o transporte em VLT. Explicou que agora é preciso da formalização do entendimento entre as partes, e a aprovação da ANTT, para dar sequência à implantação. “O VLT no Brasil já existe. O compartilhamento de trens de passageiros com carga também. Esse será o primeiro compartilhamento de VLT com carga”, declarou.

O gerente de relações governamentais da Rumo, Emanoel Tavares, afirmou que a tendência é levar a malha viária de carga para fora da cidade e que vê com bons olhos a proposta da Prefeitura. Observou que Sorocaba tem uma linha dupla de trilhos, bem estruturada. “O caminho é esse. O projeto de vocês traz facilidades, não traz dificuldades (como o de carga)”, avaliou. Ele levará a proposta do VLT para o conhecimento da direção da Rumo.

O secretário de Mobilidade e Acessibilidade, Wilson Unterkircher Filho, ressaltou a importância da conquista da boa aderência, tanto da concessionária (Rumo) como do órgão que gere o assunto (DNIT). Acrescentou que agora será trabalhar os estudos de viabilidade. Também presente na reunião, o presidente da Câmara, o vereador Rodrigo Manga elogiou o projeto do VLT de Sorocaba e disse que vai propor aos demais vereadores a criação de comissão para acompanhar esses trabalhos. E colocou a Câmara Municipal à disposição.

Além dos já citados, também participaram da reunião o secretário de Comunicação e Eventos, Eloy de Oliveira, o secretário de Cultura e Turismo, Werinton Kermes, e profissionais das diversas secretarias municipais envolvidas. Da concessionária Rumo também estiveram presentes o coordenador de relações governamentais, Marcelo Arthur Fiedler e o especialista em relações governamentais, Marcelo Rodrigues. E do DNIT, o engenheiro de projetos ferroviários, Elias Fadel.

Entenda como vai funcionar o VLT
Durante a apresentação, o secretário Fioravante demonstrou que o VLT, ou o “bonde moderno” como ele também definiu, circulará dentro de Sorocaba, desde a região próxima de George Oeterer em Iperó, até o bairro Brigadeiro Tobias. Nesse percurso haverá vários modernos pontos de embarque e desembarque de passageiros, inclusive utilizando Estação Ferroviária no centro e um ponto de embarque e desembarque no Alto da Boa Vista, que concentra os serviços administrativos da cidade, com o ponto final na estação desativada de Brigadeiro Tobias.

Ainda explanou que o VLT chegará à velocidade de 70 km/h e poderá ter capacidade de transportar de 250 a 350 passageiros, conforme o modelo a ser escolhido. Ele funcionará a energia elétrica do sistema de distribuição da CPFL Piratininga, ou seja, não vai gerar poluição ambiental e nem sonora, já que é um veículo silencioso. Poderá ter até sete vagões, todos interligados, equipado com ar condicionado, sinal de internet sem fio, tomadas para carregar de celular e sistema de segurança com vigilância interna por câmera de vídeo e completa comunicação com as estações e centros de controles. As plataformas de embarque ou desembarque terão 45 metros ou 35 metros.

O estudo preliminar foi elaborado pelos profissionais da Secretaria de Planejamento e Projetos da Prefeitura sob a liderança do secretário Luiz Alberto Fioravante. A apresentação multimídia foi preparada pela Secretaria de Comunicação e Eventos. O engenheiro de projetos ferroviários, Elias Fadel, de forma muito elogiosa, disse que nunca imaginou que profissionais de uma Prefeitura pudessem desenvolver um estudo tão completo e com detalhamentos técnicos ferroviários. Fadel fez muitos elogios aos resultados do estudo.

Fonte: Agência Sorocaba de Notícias

Anúncios