Tags

,

Há um mês sem receber repasses previstos em convênios mantidos com a Prefeitura de Sorocaba, entidades que atendem demandas sociais na cidade pedem socorro e advertem para o risco de paralisarem suas atividades por falta de recursos.

Cálculo do Conselho Municipal de Assistência Social (CMAS) mostra que a dívida do governo municipal com as 27 instituições conveniadas seria de quase R$ 500 mil. A Prefeitura informou que deverá fazer o pagamento na semana que vem.

O presidente do CMAS e também diretor da Bethel Lares, que atende crianças em situação de risco, Heitor Beranger Junior, disse que o assunto já foi discutido com o prefeito José Crespo (DEM).

O governo, entretanto, alega não dispor de dinheiro para fazer frente ao problema. Somente no setor em que a Bethel atua outras quatro organizações estão sem receber. Juntas, elas atendem 160 crianças. O impasse tem sido acompanhado pela Vara da Infância e da Juventude e pelo Ministério Público. Ambos têm intermediado as conversações com a administração.

“Conseguimos receber em janeiro, mas agora estamos, de novo, sujeitos à espera. O problema é que nossa clientela não pode ter o atendimento comprometido. É dever do município, e até por isso foram firmados os convênios, cuidar para que essa demanda receba a atenção devida”, afirmou.

Beranger contou que as entidades têm cumprido verdadeira via sacra para não faltar com o atendimento das respectivas atribuições. “Todas pedem ajuda à comunidade, buscam parcerias, promovem eventos, mas não está fácil. O cenário de crise tem prejudicado muito esse trabalho que pode entrar em colapso se nada for feito”.

O presidente do CMAS acrescentou que obteve informações junto a setores do Paço segundo as quais a atual gestão estaria no aguardo do aporte de receita resultante do pagamento do Imposto Predial, Territorial e Urbano (IPTU). “As crianças, os doentes, aqueles que dependem, não podem esperar”, reagiu.

Prefeitura diz pagar dia 14

A reportagem manteve contato com a Secretaria da Comunicação e Eventos (Secom) na terça-feira e só ontem à noite houve uma resposta. Em nota, a Secretaria da Fazenda informou que todas as entidades assistenciais serão pagas no dia 14 deste mês. “Houve atraso nos pagamentos porque a Prefeitura, que passa por dificuldades financeiras herdadas da gestão passada, teve de pagar o financiamento do CAF (Cooperativa Andina de Fomento), em dólar”, afirmou o texto.

A nota ainda aponta que “a Prefeitura possui um rombo financeiro deixado pela administração anterior cujo déficit é de R$ 195,5 milhões, constituído por dívidas sem quitação e manobras orçamentárias. Os repasses do Estado e da União, que vêm para o município repassar às entidades, estão em ordem”.

Fonte: Jornal Cruzeiro do Sul

Anúncios