Tags

Chegar à terceira idade geralmente representa uma fase de indefinições e receios.

O processo natural de envelhecimento do corpo, a aposentadoria, a partida dos filhos de casa, tudo isso traz certa apreensão. Mas o que mais assusta muitas pessoas que estão chegando nesse estágio da vida é a solidão.

“Na nossa idade, solidão mata! Se eu ficasse sozinha em casa, assistindo televisão ou esperando as horas correrem, o que seria? Aqui nós temos um sentido para a vida e a disposição de acordar todo dia de manhã e procurar em nossos amigos, nesse pessoal daqui, uma razão para levantar, por mais difícil que os nossos dias tenham sido”. É com o relato forte e contundente que Dagmar Machado Farias de Zoppa, de 61 anos, uma das mais jovens participantes do grupo do programa Viva Esporte 3ª Idade do Centro Esportivo “Padre Pieroni” no Jardim Simus, e espécie de porta-voz informal dos colegas, definiu a importância que o projeto tem para os seus companheiros.

“Tem gente aqui com até 83 anos, gente que passou muita coisa na vida e que encontrou no esporte um sentido para continuar sorrindo.

Olha aquele”, faz um gesto discreto na direção de um senhor, enquanto sorri com carinho e prossegue: “Perdeu a mulher e o genro em uma semana. Imaginou se não tivesse a gente com ele?”, conta.

Dagmar se refere ao grupo que, como ela, participa do programa Viva Esporte 3ª Idade, mantido pela Secretaria de Esportes nos Centros Esportivos “Dr. Pitico”, “Padre Pieroni”, no Parque dos Espanhóis e no Sesi, atendendo atualmente 320 jovens senhores e senhoras que, na melhor idade, tem oportunidade de desenvolver atividades esportivas ou recreativas e até representar o município em competições especiais como os Jogos Regionais do Idoso (JORI).

Entre as possibilidades, os idosos podem optar por coreografia e dança de salão, atletismo, natação, tênis de campo, malha, bocha, tênis de mesa ou os tradicionais jogos de mesa, como damas, xadrez, buraco e truco. Os benefícios das atividades esportivas ou recreativas são inegáveis, vão desde a recuperação da autoestima à melhoria na coordenação motora e nas relações sociais dos participantes do projeto. Fisicamente também há mudanças, com a recuperação do tônus muscular, a redução de dores nas articulações e até a gradativa melhora de humor.

A animada Dagmar, ex-praticante de basquete na juventude, destaca outros aspectos positivos do projeto. “Esse menino, o professor Fábio, é um herói, antes dele tínhamos o Beto, que montou esse grupo e foi um dos melhores técnicos que tive na vida, e olha que já fui treinada profissionalmente, aqui a gente trabalha com pouco e ficamos sozinhos nos últimos quatro, cinco anos”. Do outro lado da quadra, um senhor, bem mais idoso grita “amanhã serão vocês que terão nossa idade, precisamos de apoio, encher isso daqui e dar sequência no projeto”.

“É esse tipo de projeto que temos que incentivar e gerar condições para que cresça cada vez mais. Estamos pedindo a reforma e revitalização dos centros esportivos para dar mais comodidade e apoio às ações como essa. Logo vamos estudar como fazer para auxiliar mais ainda” reforça o secretário de Esportes e Lazer, Simei Lamarca. 

Para participar:

Quem desejar participar do programa Viva Esporte 3ª Idade deve procurar o Parque dos Espanhóis, o Centro Esportivo “Dr. Pitico” ou o Centro Esportivo “Padre Pieroni”, além do SESI. Algumas unidades têm aulas recreativas, outras, como o Centro Esportivo “Padre Pieroni” se especializaram em treinos competitivos. As atividades são realizadas em diversos horários e são adaptadas para a idade e condição física dos participantes.

Fonte: Agência Sorocaba de Notícias

Anúncios