Tags

Representantes de todos os organismos de segurança da cidade participaram na manhã desta quinta-feira (15) do 15º encontro do Gabinete de Gestão Integrada Municipal (GGI-M), finalizando os trabalhos realizados ao longo de 2016.
Com a presença do prefeito Antonio Carlos Pannunzio, autoridades da Polícia Civil, Polícia Militar, Guarda Civil Municipal (GCM), Polícia Rodoviária, Corpo de Bombeiros e Conselho Tutelar, além da vice-prefeita Edith Maria Di Giorgi, e dos secretários de Governo e Segurança Comunitária, Toni Silveira, de Serviços Púbicos, Oduvaldo Denadai, o encontro foi uma prestação de contas das ações desenvolvidas em conjunto.

Antes mesmo de conhecer os números, Pannunzio abriu a reunião de trabalho agradecendo o esforço empreendido por cada uma das instituições e falou sobre o novo desafio a ser enfrentado nos próximos dias que é a ocupação do Residencial Carandá e que exigirá a parceria e cooperação de todos. Disse que todas as providências que estavam ao alcance da gestão municipal, em todos os sentidos, foram tomadas; entretanto, nem tudo se concretizou.
De acordo com o prefeito, um pedido feito ao DER (Departamento de Estradas de Rodagem) já melhorou as condições de segurança do trecho onde o residencial está instalado, por meio de sinalização e a instalação de redutores de velocidades. “Ainda deverão ser feitas outras melhorias, pois a mudança das famílias só deve acontecer a partir de janeiro”, comentou, reiterando que o aumento do trânsito de pessoas e veículos naquela região vai aumentar e necessita da devida atenção.
Pannunzio, que esteve em Brasília nesta quarta-feira (14) para, também, tratar da questão do Carandá, ainda lembrou dos equipamentos públicos que devem ser construídos no local e garantiu que as ordens de serviço para isso devem ser expedidas pelo Ministério das Cidades. O Carandá será entregue aos moradores no próximo dia 23 e o prefeito pediu às polícias e à GCM que redobrem a vigilância e a segurança naquele trecho.
Na oportunidade, falando sobre sua gestão nos últimos quatro anos, o prefeito foi categórico: “Fizemos tudo o que foi possível, não aquilo que foi prometido, até porque vivemos num país engessado, com pessoas que imobilizam as ações. Seja por conta de um adversário político, seja por causa de um empresário que não concorda com o resultado de uma licitação. E isso acaba emperrando tudo”, lamentou.
De qualquer forma, Pannunzio disse que, diferente daquilo que muitos gostam de propagar, a cidade avançou bastante e no que tange à questão da segurança pública, por exemplo, assegurou que foi a sensibilidade, a dedicação e a parceria das polícias civil e militar, da Guarda Municipal e de outros órgãos que Sorocaba apresenta os melhores indicadores de segurança no Estado de São Paulo. “Se não fosse esse desempenho, esse companheirismo, a compreensão e o respeito ao papel de cada um, o Gabinete de Gestão seria um arremedo. Tenho muito orgulho desse trabalho conjunto”, enfatizou.
Números
Sorocaba conta, atualmente, com 106 câmeras dentro do seu sistema de videomonitoramento. São ciclovias, parques, praças e áreas públicas monitoradas 24 horas por dia. Um sistema que foi integrado e é acessado simultaneamente pela Polícia Militar, Civil, GCM e Urbes Trânsito e Transporte.
Nos últimos quatro anos foram investidos mais de R$ 700 mil em segurança nos próprios municipais. São 92 prédios com câmeras, 318 com alarmes e 7 unidades que contam com vigilância física. Por meio da Operação Delegada, o município investiu cerca de R$ 5 milhões na ampliação do atendimento à população, o que significou 1.131 estabelecimentos fiscalizados e a notificação de 679 irregulares. Os dados são da Guarda Municipal.
Para o comandante do CPI-7, coronel Antonio Valdir Gonçalves Filho, o sistema de videomonitoramento foi o grande responsável pelos indicadores positivos que Sorocaba apresenta ao final deste ano. Segundo ele, a região de Sorocaba apresenta o menor índice de roubos e furtos de veículos no Estado, além de outras marcas importantes. Para ele, dentro das possibilidades e a estrutura de trabalho de cada órgão integrante, “foi possível exercer uma segurança pública de verdade”.
Titular do Departamento de Polícia Judiciária do Interior do Estado de São Paulo (Deinter-7), o delegado José Aparecido Sanches Severo, corroborou a fala do colega militar e disse que Sorocaba é o melhor lugar que existe para se trabalhar. Na cidade desde 2015, foi enfático ao dizer que “aqui as coisas funcionam. Há uma efetividade por parte do Poder Executivo e isso se traduz em pronta resposta e tempo de ajuda”, disse.
O delegado pontuou duas ações determinantes para que Sorocaba se destaque enquanto cidade segura para se viver: a criação de uma rede inteligente (Infovia), onde as polícias se comunicam e a instituição de uma lei que coíbe a atuação irregular de desmanches.
“Assim, as polícias conseguem produzir resultados”, comentou, anunciando que, em três meses, a regional conseguiu solucionar o furto de 70 veículos. “E tudo começou aqui, no local da queixa”, explicou. Outro dado apresentado pelo diretor do Deinter-7 diz respeito à apreensão de drogas: foram 17 mil toneladas de entorpecentes até o mês de novembro em toda a região. Em 2015, o volume do ano foi de 10 mil. O Departamento de Polícia Judiciária engloba 74 municípios.
Parte desse número diz respeito à atuação da Guarda Municipal que, até o mês passado, tirou de circulação mais de 270 mil porções de drogas, deteve 721 indivíduos por várias situações e apreendeu mais de 302 mil mercadorias irregulares. “Este é um trabalho que não acontece isolado. Aqui estão todos aqueles que, diariamente, atuam no conceito de polícia cidadão, resguardando o cidadão de bem, protegendo nossas crianças, cuidando do nosso maior patrimônio que é a população”, disse o comandante da GCM, Jefferson Klarosk.

Fonte: Agência Sorocaba de Notícias

Anúncios