Tags

,

O jornal Cruzeiro do Sul publica a partir desta terça-feira (11) uma série de respostas a perguntas feitas aos dois candidatos a prefeito de Sorocaba que estão no segundo turno da eleição deste ano. Nesta semana, os candidatos José Crespo (DEM) e Raul Marcelo (Psol) vão falar sobre seus planos para região central de Sorocaba, a possibilidade de construção de uma nova rodoviária e o crescimento da mendicância.

Os dois candidatos também vão falar sobre os planos de cada candidato para embelezamento da cidade e o paisagismo. O segundo turno da eleição, que decidirá o prefeito de Sorocaba para os próximos quatro anos (2017/2020), acontece no dia 30 deste mês.

Hoje, na abertura do perguntas e respostas, os candidatos vão expor as propostas em relação ao centro de Sorocaba.

José Crespo (DEM) – Do ponto de vista urbanístico, vamos revitalizar o Centro. A ideia é ampliar a atratividade, os negócios e as atividades desenvolvidos na região. Do ponto de vista da ocupação e mobilidade, o local precisa essencialmente de fiscalização rigorosa. Infelizmente, não é o que vemos hoje. A atual administração não exerce qualquer ação sobre o Centro neste sentido.

Em nossa opinião, é inadmissível que o cidadão seja achacado toda vez que vai ao Centro. Afinal, o direito de ir e vir deve ser preservado e cabe ao Poder Público garantir isto. Muitas pessoas nos procuram para dizer que são ameaçadas ou até mesmo que têm a pintura do seu veículo riscada quando enfrentam os flanelinhas. Vamos exercer o papel do Poder Público no nosso governo, impedindo que isto continue a ocorrer. Usaremos a Guarda Civil Municipal e a Polícia Militar, além da nossa fiscalização, para garantir isto.

Mas a fiscalização rigorosa não será a nossa única ação. Vamos cuidar para que as pessoas que atuam como flanelinhas sejam capacitadas para exercer outras atividades. Vamos dar a elas um amparo social, já que exercem essa atividade em busca de um sustento. Vamos também implantar a Zona Azul Digital, um sistema de estacionamento regulamentado nas vias públicas e controlado por um aplicativo.

Ou a Urbes desenvolverá esse aplicativo ou faremos convênio com a CET, de São Paulo, que já tem um serviço assim. A Zona Azul de Sorocaba surgiu em 1978, no governo de Theodoro Mendes. Era um pedido do comércio da época para garantir a rotatividade do estacionamento e vendas.

Raul Marcelo (Psol) – As vagas públicas mais disputadas são as da região central e das cercanias dos espaços de maior fluxo. Para a maioria desses casos, a responsabilidade já é do poder público, que possui uma política específica de uso, representada pela Zona Azul.

As vagas públicas devem ter um uso rigoroso que vise elevar a sua rotatividade, buscando aumentar o número de usuários, priorizando as pessoas que desejam fazer seu uso rápido em detrimento das que trabalham ou moram no local, pois isso dinamiza o comércio e favorece o fluxo do trânsito.

A realidade em nossa cidade é que se estabeleceu um círculo vicioso entre a falta de fiscalização das regras de seu uso e o valor simbólico do bilhete, gerando uma brecha para as práticas dos “cuidadores de carro”.

Propomos a ampliação da fiscalização, com incremento do efetivo que execute essa política e pratique a conscientização da população sobre a importância das vagas públicas, direcionando aos estacionamentos privados o uso que não se enquadrar nessa modalidade.

Fonte: Jornal Cruzeiro do Sul

Anúncios