Tags

,

Dar um novo significado à palavra resíduo, transformando-o em recurso a ser utilizado por escolas, artistas, artesãos e comunidade. Esse é o principal objetivo do Projeto de Ressignificação de Resíduos Industriais (Ressig), cujo lançamento oficial está previsto para o mês de junho.

Em abril, o Ressig foi apresentado aos representantes dos setores ambientais de grandes empresas de Sorocaba, durante evento no galpão (antigo almoxarifado da Prefeitura) que será a sede do projeto. A iniciativa contou com as presenças da presidente do Fundo Social, Maria Inês Moron Pannunzio, idealizadora do projeto; e dos Secretários de Governo e Segurança Comunitária, João Leandro; de Obras e Infraestrutura Urbana, Toni Silveira; do superintendente do Saae, Rodrigo Maldonado; da Secretaria da Cultura, Jaqueline Gomes da Silva; e do secretário de Serviços Público, Oduvaldo Denadai.

A proposta principal do Ressig é o armazenamento de diversos tipos de resíduos industriais destinados por empresas que, após triagem realizada por uma equipe técnica, e constatação de que os resíduos estão livres de contaminação e de periculosidade, serão organizados e disponibilizados às instituições de educação infantil, escolas, artesãos e artistas para a utilização em suas atividades.

O Ressig foi idealizado por Maria Inês Moron Pannunzio, após viagem à cidade italiana de Reggio Emilia, onde conheceu o Remida, um centro de reaproveitamento de resíduos, que hoje conta com o envolvimento de 170 empresas europeias. “Os materiais e objetos destinados ao galpão poderão ser utilizados em atividades pedagógicas e até mesmo para a produção de um objeto de artesanato ou de arte”, exemplificou a presidente do FSS.

Mais participantes

Além do armazenamento, a ideia é que o RESSIG tenha uma programação educativa, com oficinas, workshops e exposições, fomentando a criatividade e a sustentabilidade. “O conceito de reaproveitamento de resíduos que será implantado em cursos, oficinas que acontecera no galpão, fará com que as crianças e adultos participantes repensem sobre o consumo e desperdício. Gosto muito da ideologia do projeto que a Prefeitura está desenvolvendo. Paradigmas serão quebrados e criatividade transformada em arte”, acrescentou a gestora ambiental da YKK, Janaína Martinez.

Além da YKK, estiveram presentes na apresentação do espaço do projeto os representantes das empresas Emerson, Mekra Lang, Iharabrás, Gás Natural, Eadi Aurora, JCB do Brasil, Bericap do Brasil. Outras empresas, como Toyota do Brasil, Leroy Merlin e Belini Tintas, já anunciaram que serão parceiras no projeto. O evento contou também com a participação de integrantes da faculdade Uniesp, sendo que Anhanguera, Uniso e Facens também estão envolvidas na iniciativa.

“Nos interessamos pelo projeto desde 2014, quando ele foi apresentado a algumas empresas. Os resíduos que poderemos destinar serão móveis de escritório que estejam em bom estado de conservação, sobras de barbantes, cordões e linhas têxteis, rolinhos de fita adesiva e a doação de paletes de madeira”, afirmou Janaína Martinez.

Uma cartilha com informações importantes do projeto, como quais materiais poderão ser doados e condições de participação, foram entregues ao público presente. O primeiro passo para ser uma empresa parceira do Ressig é fazer o cadastro, por meio do site fundosocial.sorocaba.sp.gov.br, ou entrar em contato pelo telefone 3238.2390.

Fonte: Agência Sorocaba de Notícias