Tags

,

Apesar de negar o fechamento das 31 unidades do Sabe Tudo, a Prefeitura de Sorocaba admite que ainda não foi selecionada uma alternativa para a gestão dos prédios que seguem sob administração da ONG Projeto Pérola até o próximo dia 22.

Desde setembro, o governo municipal vem cortando verbas destinadas ao projeto, o que já resultou na demissão de quase 180 pessoas e redução de cursos oferecidos.

O vínculo com a atual parceira será encerrado antes do Natal e a partir de então, ainda não se sabe quem assume o serviço.

Em entrevista à rádio Cruzeiro FM na manhã de ontem, o prefeito Antonio Carlos Pannunzio (PSDB) disse que o vínculo com o Projeto Pérola não será renovado pois “o contrato deixou de ser interessante por não atender mais os objetivos da Prefeitura.”

“Estamos reformulando o modelo de contratação para definir uma nova empresa ou OS (Organização Social) para conduzir o Sabe Tudo de forma mais adequada”, anunciou Pannunzio. O secretário de Educação, Flaviano Agostinho de Lima, revelou aos vereadores na oitiva da CPI da reorganização escolar, na manhã de ontem, que além de buscar uma nova entidade para assumir o Sabe Tudo, a administração não descarta assumir o serviço por conta própria.

Além da indefinição que cerca o caso, um processo corre na Justiça e o juiz da Vara da Infância e Juventude de Sorocaba, Gustavo Scaf de Molon, chegou a determinar por meio de liminar que os cursos interrompidos após o corte de repasses da Prefeitura fossem retomados. A ação que deu origem à decisão provisória partiu do Ministério Público (MP) por meio da promotora Ana Alice Mascarenhas Marques. A administração, no entanto, recorreu e o caso ainda depende de julgamento.

O convênio entre a Prefeitura e o Projeto Pérola para a administração das unidades do Sabe Tudo foi firmado em 2006. Desde então, foram cerca de 50 mil alunos formados nos cursos voltados principalmente à área de informática em meio a mais de um milhão de acessos. Antes dos cortes recentes, a ONG recebia cerca de R$ 630 mil mensais. Hoje, no entanto, cada unidade trabalha com apenas um funcionário e estrutura reduzida.

Fonte: Jornal Cruzeiro do Sul

Anúncios