Tags

Dentro do processo de regularização de áreas que é promovido pela Prefeitura de Sorocaba, por intermédio da Secretaria da Habitação e Regularização Fundiária (Sehab), teve início o processo envolvendo mais 82 imóveis localizados em dois lotes no Jardim São Marcos, Zona Oeste da cidade. Decreto do Executivo, publicado na edição da semana passada do jornal “Município de Sorocaba”, autorizou o procedimento.

De acordo com a chefe da Divisão de Regularização da Secretaria, Daniele Teixeira de Lemes, serão quatro quadras: duas com 49 imóveis contíguos à Avenida Santa Cruz e outras duas, na confrontação com a rua Moriza Seabra, com mais 33 lotes. Com isso, mais 82 famílias terão regularizadas a situação de seus bens.

Pelo projeto, os espaços passarão por um plano de urbanização e regularização, que caminha para a obtenção do levantamento ambiental e cartográfico para parcelamento do solo. Com isso, os moradores do local terão o loteamento aprovado na Prefeitura. Com a regularização, os imóveis construídos em todo o perímetro terão matrícula e inscrição municipal e os donos passarão a pagar pelo Imposto Territorial Predial Urbano (IPTU).

Antes do Jardim São Marcos, a Sehab começou, setembro passado, a regularização de 85 lotes num núcleo do Jardim Guadalupe. Ao longo dos últimos três anos, porém, Sorocaba regularizou áreas nos jardins Ipiranga, Nova Esperança e Real. Os bairros Novo Horizonte, Colorau I e II, as Vilas João Romão, Zacarias e Sabiá também têm centenas de imóveis regularizados em diversos perímetros. Além desses, os bairros Júlio de Mesquita Filho, Maria Eugênia e Ulisses Guimarães também se beneficiaram pela legalização.

Há 30 anos

O casal Wilson Arruda Paes e Maria de Lourdes teve e criou seus filhos ali na casa 36 da rua Orestes Ângelo Coló. Bem, casa não era a denominação que Maria dava ao abrigo que mantiveram por quase 30 anos: “era um barraco, construído de bloco, mas de apenas uma janela. Onde um passava, o outro não entrava”, conta.

Isso mudou há pouco mais de um ano, quando, por meio de uma promoção e com a ajuda de uma empreiteira, a família foi sorteada para ter seu espaço reconstruído. “Ah hoje dá gosto de limpar, de entrar. É tudo organizado”, diz a esposa, lembrando que ficaram um ano morando e aluguel, pago por terceiros, para que o imóvel fosse feito, todo em alvenaria, e acabamento completo.

Mas, faltava alguma coisa. Maria de Lourdes e o marido, agora aguardam a escritura definitiva da casa e que, segundo a Sehab, deverá ser entregue até o final deste ano. “Saber que é da gente é outra coisa. Eu lutei muito para conseguir que isso aqui fosse regularizado e agora está chegando ao fim”, diz Wilson. Para ele, não se trata apenas de uma garantia de posse, mas é a concretização do sonho de saber que não terá mais com o que se preocupar, pois o trabalho de uma vida inteira está assegurado. “E o que é da gente, ninguém pode tirar ou derrubar”, encerrou.

Fonte: Agência Sorocaba de Notícias