Tags

, ,

Depois de semanas de desgaste e boatos, o prefeito Antonio Carlos Pannunzio exonerou via portaria, na tarde de ontem, o secretário de Educação José Simões de Almeida Junior. A saída, segundo nota oficial da Prefeitura, atendeu a pedido do próprio ex-secretário, que já estava afastado do cargo desde 21 de maio.

Em seu lugar continua interinamente o professor Flaviano Agostinho de Lima, que é presidente também afastado do Parque Tecnológico de Sorocaba (PTS), para exercer a função, e esteve à frente da pasta nas últimas semanas. Simões não foi encontrado para comentar o assunto.

Os rumores sobre a saída definitiva de Simões da Educação já circulavam pela cidade há algum tempo, principalmente porque seu afastamento – justificado pela realização de uma viagem ao exterior por motivos pessoais, planejada antecipadamente, segundo a administração municipal – aconteceu no momento em que o debate sobre o Plano Municipal de Educação (PME) foi organizado e plenárias começaram a ser realizadas na cidade. O afastamento da maior autoridade da Educação no município, naquele momento, reforçou os boatos de que Simões realmente não continuaria à frente da pasta. Uma primeira portaria, de 22 de maio, nomeou Flaviano como secretário substituto no período de 21 a 26 de maio. Na semana seguinte, nova portaria estendeu a data até 5 de junho último.

José Simões assumiu a Secretaria de Educação em julho de 2013. Durante os dois anos à frente da pasta, enfrentou impasses e embates com as merendeiras, que fizeram greve por falta de pagamento de salários, com pais de alunos que reclamaram da má qualidade da comida oferecida e com mães em busca de vagas em creches.

54 minutos

A confirmação oficial de que Simões não é mais o Secretário de Educação aconteceu, por meio de nota da Prefeitura, exatos 54 minutos antes do início da audiência pública que debateu o texto final do PME, na Câmara Municipal. A participação popular no processo foi um dos pontos de desgaste de José Simões, reforçado por seu afastamento. Porém, muitos dos ouvidos pela reportagem do Cruzeiro do Sul, no plenário da Câmara, preferiram amenizar e não culpar o secretário, mas sim o sistema, pelos descontentamentos. “Toda a movimentação do grupo, que gerou a discussão do PME, não tinha em vista derrubar o secretário, se ele caiu por contingência disso, não era o nosso objetivo. Era apenas construir um plano plural, com a participação de todos os segmentos”, disse Manuel Francisco Filho, do Fórum Popular de Educação de Sorocaba. “Houve um descontentamento que ficou marcado na figura dele, mas na verdade o descontentamento foi com a estrutura e a forma como o debate vinha sendo conduzido.”

O vereador pastor Luis Santos (Pros), presidente da Comissão de Educação da Câmara Municipal, achou a exoneração “estranha”. “Embora tenha havido manifestações contrárias em alguns aspectos, não vi uma situação tão grave. A não ser esse afastamento dessa complicada discussão, num momento tão sério do debate do Plano Municipal de Educação. Provavelmente o prefeito não digeriu bem esse tipo de posicionamento.” Para Carlos Leite (PT) a decisão já era esperada. “O diálogo dele com a sociedade estava difícil. O prefeito agiu corretamente e até tardiamente em exonerá-lo.”

O vereador Anselmo Neto (PP) disse ter sido pego de surpresa. “Acredito que todas as críticas que foram feitas à Educação não eram ao secretário, mas ao sistema adotado pela cidade.” José Crespo (DEM) cobrou o resultado do PME, independente da mudança. “Acho que essa saída dele foi envolta em muito mistério, pouca coisa foi esclarecida. O verdadeiro motivo talvez nunca seja publicado. O que se diz é que ele teve uma viagem, com motivos familiares, mas isso não explica, ainda mais pelas atribuições do cargo, ele abandonou esse processo e sumiu. Deve ter muito mais histórias. Mas isso não importa agora.”

O professor Flaviano Agostinho de Lima, que assumiu interinamente a Secretaria de Educação, saiu pela tangente quando questionado sobre a possibilidade de permanecer em definitivo no cargo. “Neste momento, o compromisso que eu assumi é de colaborar até chegarmos ao projeto de lei do Plano Nacional de Educação.” O prazo para a aprovação da proposta pela Câmara Municipal é dia 26 deste mês, mas o novo secretário não quis confirmar se segue como responsável pela pasta até que isso aconteça.

Flaviano foi afastado da presidência do Parque Tecnológico de Sorocaba em 21 de maio, quando assumiu a Educação como secretário substituto. Ele disse que a situação como interino foi prorrogada, pelo prefeito Antonio Carlos Pannunzio, até sexta-feira. “Esta semana ainda estão previstas conversas com o prefeito.”

Segundo Flaviano, José Simões conversou muito com Pannunzio, nos últimos dias, antes de tomar a decisão e pedir demissão. “O Simões teve uma viagem com a qual tinha se comprometido há muito tempo, para cumprir compromissos de família, e nunca imaginou que essa agenda fosse se prorrogar como aconteceu. Ele está muito triste com tudo isso, ele sofreu muito, tanto que agora ele pediu exoneração. Neste momento há respeito ao trabalho que o Simões fez. Todos nós temos admiração e respeito pelo Simões, conversei hoje com ele, quero conversar mais.”

Fonte: Jornal Cruzeiro do Sul

Anúncios