Tags

,

A Secretaria de Habitação e Regularização Fundiária da Prefeitura de Sorocaba termina o primeiro ano da gestão Antônio Carlos Pannunzio com 3.440 moradias já em construção, o que corresponde a 68,8% da meta de 5 mil estabelecida pelo prefeito para todo o seu governo.

As moradias estão sendo erguidas no Residencial Carandá, no bairro Caguaçu, que terá 2.560 unidades; no Residencial Bem Viver, no Cajuru do Sul, com 144; no Residencial Parque da Mata, no Jardim Maria Eugênia, com 320; e no Residencial Viver Melhor, no Jardim Bethânia, com 416.

Os números fazem parte da prestação de contas de um ano de trabalho da Secretaria de Habitação, que foi preparada pelo secretário e por todas as equipes da secretaria para mostrar à população o que está sendo feito na área pela Prefeitura no atual governo.

Para gerir os investimentos, da ordem de R$ 608 milhões, Hélio Godoy criou o programa municipal de habitação “Nossa Casa”. Os recursos vêm dos governos da União pelo programa “Minha Casa Minha Vida”, do Estado pelo “Casa Paulista” e da Prefeitura.

“Ressalto nesta prestação de contas do trabalho da nossa secretaria que os conjuntos habitacionais não se limitam somente a oferecer moradia para quem não tem, mas também gerar emprego e renda, como os mais de 1,2 mil postos de trabalho diretos e indiretos do Carandá”, diz Godoy.

Outro detalhe destacado pelo secretário é que o prefeito Pannunzio adotou o seu projeto de ocupar os vazios urbanos.

Essas pequenas áreas nas regiões mais centrais reduzem o custo de implantação. Isto porque já contam com infraestrutura.

Dos conjuntos habitacionais em andamento, três estão sendo implantados em áreas de vazios urbanos (Bem Viver, Parque da Mata e Viver Melhor com moradias entre 43 m2 e 49 m2). Há possibilidade de utilização ainda de outras áreas com essa condição.

São os casos dos projetos já aprovados para início de obra no bairro Aparecidinha, com 192 unidades, e no Éden, como 160 unidades.

“Temos várias áreas ainda na cidade com esse perfil, que abrigarão de 30 a 500 unidades”, diz o secretário Hélio Godoy.

A perspectiva de construção não para. Para começar a partir de janeiro de 2014, o secretário já tem aprovados projetos de 2.500 unidades. Além disso, dentro da Prefeitura, nos vários estágios de viabilização dos projetos, há mais 6 mil unidades em análise.

DEMANDA HABITACIONAL – O que explica a agilização de todos os processos são estes quatro fatores: pesquisa de demanda habitacional criada pelo secretário em março deste ano, reorganização da Secretaria de Habitação com a divisão em dois eixos: habitação e regularização fundiária, serviço social e disposição do prefeito.

“Antes da pesquisa, que fizemos por meio de um questionário colocado por dez meses no portal da Prefeitura, a expectativa de necessidade de moradias na cidade estava em 12 mil, mas depois dela descobrimos que esse número chega a 34.785 pessoas e deve crescer até o dia 20 de dezembro, prazo final para mais inscrições dos interessados em moradia”, afirma.

A equipe da Secretaria de Habitação mapeou toda a demanda com o levantamento. Sabe-se, por exemplo, que 80,45% são de pessoas de baixa renda e a maior demanda (38,86%) está na zona norte.

A secretaria também tem cada um dos participantes da pesquisa georreferenciado por CEP da rua onde moram as famílias. “Isto se chama planejamento”, ressalta o secretário.

“Esses dados nos permitiram analisar melhor a aprovação de novos projetos de habitação com a realidade da cidade e definir a busca de financiamentos para os projetos. Com a reorganização da secretaria, pudemos focar cada área com mais detalhamento e empreender os esforços necessários.”

Fonte: Jornal Diário de Sorocaba

Anúncios