Tags

,

Ao todo, 92 escrituras foram entregues a famílias do Jardim Nova Esperança na manhã de ontem. A cerimônia realizada no Território Jovem do bairro atraiu centenas de moradores, que aguardavam ansiosos pelo documento.

Conforme explica o secretário de Habitação e Regularização Fundiária, Hélio Godoy, cerca de 726 famílias que residem na rua Itanguá, estão em área que antigamente pertencia à Fepasa.

Simultaneamente, três trêileres operam na cidade fazendo o cadastro de famílias para que consigam a escritura definitiva de suas moradias.

“Enviamos um ofício com data e hora de apresentação, e são atendidas cerca de 20 famílias por dia em cada trêiler.”

Somente no último mês foram cadastradas 1,2 mil famílias e este ano deve fechar com aproximadamente 1,5 mil escrituras entregues gratuitamente à população.

A expectativa para 2014 é de que sejam emitidas 5 mil escrituras. “As equipes já estão treinadas e por demorar alguns meses o tramite burocrático, alguns que já deram entradas só vão sair no próximo ano.”

Na presença do prefeito Antônio Carlos Pannunzio (PSDB) e dos vereadores Rodrigo Manga (PP) e Waldomiro de Freitas (PSD), líder de governo na Câmara Municipal, foi feita a entrega do documento simbolicamente a cinco famílias.

O casal de aposentados Maria Aparecida da Rosa Pinto e Bianor da Cunha Pinto foi o primeiro a ter em mãos a escritura. Há 26 anos morando na avenida 9 de Julho, eles recordam com detalhes do dia em que chegaram do Paraná com toda a família e se mudaram ao terreno, onde só existia mato.

“Chegamos com três mudanças e colocamos tudo lá, embaixo de uma lona. Depois que os homens conseguiram o emprego começamos a construir, primeiro uma casa de madeira e depois de alvenaria”, conta Maria.

O marido ressalta que na época pagou pelo terreno e ainda guarda as promissórias. Porém, anos depois, descobriram que os papéis não lhes asseguravam a posse. “Agora, graças a Deus, vamos viver mais tranquilos”, diz.

COLETA – Durante seu discurso, o prefeito aproveitou para pedir a colaboração da população que agora deverá colocar o lixo em sacos plásticos para que seja feita a coleta. “Conversem com seus vizinhos e familiares.

O ideal seria colocar os sacos em frente das casas no dia da coleta, que continuam os mesmos.”. Com a rescisão do contrato entre a Construtora Gomes Lourenço (CGL) e o município na tarde de sexta-feira (29), os cerca de 45 mil contêineres distribuídos na cidade devem ser recolhidos, já que pertencem à empresa e a locação estava inclusa no contrato vigente.

Fonte: Jornal Diário de Sorocaba

Anúncios