Tags

,

Até outubro do próximo ano, 2.560 famílias de baixa renda devem estar morando no novo conjunto habitacional de Sorocaba, na rodovia Emerenciano Prestes de Barros, km 3,5.

O Residencial Jardim Carandá terá apartamentos populares com área construída de 47 metros quadrados e contarão com dois quartos, sala, cozinha e banheiro.

A triagem para a escolha das famílias será entre janeiro e outubro de 2014, a partir do cadastro dos interessados no programa municipal Nossa Casa.

Segundo o secretário municipal de Habitação, Hélio Godoy, entre os critérios de seleção estão a renda familiar que deve ser de, no máximo R$ 1.600, bem como preferência para famílias lideradas por mulheres, além de grupos familiares com pessoas deficientes, crianças e idosos.

O Serviço Social fará visitas para checar os dados declarados, para que o grupo definido para o sorteio esteja realmente dentro do perfil previsto no programa.

“Serão dez meses de trabalho da equipe de serviço social, que usará como base os critérios estabelecidos pelo governo federal e pelo município”, afirma o secretário.

O cadastro ainda pode ser feito no site da prefeitura – www.sorocaba.sp.gov.br – para quem tiver interesse. Basta clicar na imagem de laranja na parte superior da página onde está escrito “Nossa Casa”.

Quem já se cadastrou pode fazer a atualização de dados quando necessário, acessando o próprio portal e informando o seu CPF.

O prefeito Antonio Carlos Pannunzio (PSDB) destacou que será realizado um trabalho de capacitação dessas famílias para que elas estejam preparadas para residirem nesse tipo de habitação. “A intenção não é isolar da cidade os futuros moradores do conjunto habitacional, mas sim integrá-los à sociedade”, garante.

Estão previstos no residencial programas festivos em datas comemorativas, além de um calendário esportivo. Ambos terão atividades para os moradores dentro do Carandá.

O investimento do Residencial Jardim Carandá será de R$ 240 milhões, sendo R$ 179 milhões do governo federal, por meio do programa Minha Casa Minha Vida, R$ 47 milhões do governo estadual pelo programa Casa Paulista, R$ 10,7 milhões do programa Nossa Casa e R$ 3.500 milhões do Plano Técnico Social de Habitação. O Banco do Brasil será responsável pelo financiamento para as famílias que adquirirem os apartamentos.

O valor das prestações será de acordo com a renda familiar, variando de R$ 25 a R$ 100.

Atualmente, a obra emprega 271 funcionários, mas até o final do ano, outros mil devem ser contratados.

“Não é necessário ter experiência, pois estamos treinando os profissionais para que possam sair daqui qualificados e continuem trabalhando”, afirma o secretário de Habitação, referindo-se aos armadores, profissionais de mão de obra menos qualificada e que recebem treinamento no canteiro de obras.

A seleção de trabalhadores para a construção do Residencial Carandá é feita no Posto de Atendimento ao Trabalhador (PAT) que funciona na rua Cel. Cavalheiros, 353, no Centro.

Fonte: Notícia publicada na edição de 31/08/13 do Jornal Cruzeiro do Sul, na página 11 do caderno A

Anúncios