Tags

, ,

Encerrei dia 9, na Casa do Cidadão da Nogueira Padilha, as Plenárias que, nos quatro cantos da cidade, no Éden e em Brigadeiro Tobias permitiram ao povo apresentar suas queixas e aspirações ao prefeito, secretários e vereadores.

Tema sempre levantado com veemência foi o da saúde. Atenta à insatisfação popular, a Câmara de Sorocaba criou, em paralelo, a Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Saúde.

A medida teve total apoio da bancada que dá sustentação ao governo municipal. Interessa muito à Prefeitura ver a questão examinada às claras, para que a população saiba o que está errado e deve mudar.

Fiz da saúde prioridade absoluta. A Prefeitura, obrigada aplicar 15% dos recursos orçamentários em saúde, está investindo o dobro: 30%. E os resultados da priorização começam a surgir.

Este mês entregaremos à população das Zonas Leste e Sul a Unidade Pré-Hospitalar da Nogueira Padilha. Operada pelo Banco de Olhos de Sorocaba (BOS), através de convênio de contratualização, vinculado a resultados, além de atender a população, ela permitirá ao sorocabano comparar a qualidade dos serviços ali prestados com os oferecidos diretamente pelo município ou através da Santa Casa.

Com a conclusão das UBS do Parque São Bento e do Jardim Rodrigo estamos chegando a 32 Unidades Básicas de Saúde e ampliando a oferta de consultas, com a contratação de 149 novos médicos. Eles, como os que já atuam na rede municipal, ganharão salários superiores à média regional.

Além da UPH, estamos implantando na Zona Leste a Unidade de Pronto Atendimento (UPA) da Vila Haro. Juntas, UPA e UPH desafogarão o Pronto-Socorro Municipal, instalado na Santa Casa.

Na Zona Norte, definimos a área da Avenida Ipanema que, desapropriada, receberá o Hospital Público.

A oferta de consultas de especialidades está sendo ampliada e descentralizada. Além da Policlínica, serão oferecidas pelo Ambulatório Médico de Especialidades (AME) estadual, em implantação no Mangal.

A lição de casa está em dia.

Agora, uma investigação rigorosa da Câmara pode esclarecer porque, mesmo com esses grandes investimentos, a saúde pública deixa a desejar e dizer o que mais deve ser feito para garantir à nossa gente presteza e dignidade no atendimento.

*Artigo publicado pelo jornal Bom Dia Sorocaba em 14 de agosto de 2013

Fonte: Agência Sorocaba de Notícias

Anúncios