Tags

,

A Câmara aumentou nesta quarta-feira (4) a verba de gabinete para os 513 deputados de R$ 60 mil para R$ 78 mil. O valor representa um reajuste de aproximadamente 30% e passa a valer imediatamente. Com o dinheiro, os parlamentares podem usar para pagar os salários de até 25 funcionários.

A medida já tinha sido anunciada pelo presidente da Casa, Marco Maia (PT-RS), no fim do mês passado.

O aumento foi oficializado por um ato administrativo da Mesa Diretora da Câmara. Ao defender o reajuste, Marco Maia argumentou que os funcionários de gabinete, que são de livre contratação dos deputados, não têm aumento há cinco anos. Apesar de aumentar a verba de gabinete, o teto salarial não foi alterado, continuando nos R$ 8.040 atuais. Ele deve custar R$ 115 milhões aos cofres da Câmara até o fim do ano.

Mas, além de fato de que a decisão do aumento se dá em um momento em que o governo alardeia a necessidade de contenção de gastos para conter o risco da crise econômica, há um outro fator a ser levado em conta: no caso de alguns partidos – não se sabe quantos – a verba a mais, em vez de parar nos bolsos dos funcionários, pode acabar nos cofres das próprias legendas.

No ano passado, o Congresso em Foco revelou que isso acontecia em pelo menos um partido político, o PSC, que obrigava cada um dos funcionários que contratava, mesmo os que não eram filiados à legenda, a entregar 5% do que ganhava. Na época, a denúncia gerou algumas repercussões negativas, mas não foi tomada pela Câmara nenhuma providência para investigar a prática do PSC e muito menos para verificar se ela se estendia a outros partidos.

Fonte: Site do Congresso em Foco

Anúncios